Incêndio em ambientes hospitalares: o que pode ser feito para minimizar riscos e proteger vidas

03/11/2020

O ambiente hospitalar é um dos poucos lugares onde podemos encontrar todos os riscos existentes. Lá, temos riscos físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e de acidentes, sendo necessária toda a precaução possível. No entanto, além dos perigos já pré-existentes, é necessário o cuidado em dobro com manutenção predial e instalação de equipamentos de prevenção contra incêndios e outras emergências. Segundo levantamento do Instituto Sprinkler Brasil, as notificações de incêndios estruturais em hospitais praticamente dobraram em 2020. Por meio do monitoramento diário de notícias de incêndios nacionais, o Instituto verificou 45 ocorrências de janeiro a outubro deste ano, registrando alta de 96% em relação ao mesmo período de 2019, quando foram contabilizados 23 registros.

 

Em tempos de pandemia, o nível de ocupação desses locais chega quase ao seu ponto máximo, podendo até sobrecarregar um sistema que não está preparado. Neste ano, tivemos exemplos de casos no Amapá, Ceará, Paraíba, Brasília e, mais recentemente, no Rio de Janeiro.

 

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Sprinklers (ABSpk), Felipe Melo, especialista em medidas de proteção contra incêndios e emergências, motivos ligados à rede elétrica é uma das causas mais comuns nas ocorrências. “Além de problemas com trabalho à quente, como por exemplo solda em estrutura metálica ou qualquer outro método que gere faísca, é comum vermos, também, casos envolvendo coifa de cozinha, devido a acúmulos de gordura nos dutos de exaustão ou até mesmo em fritadeiras”, explicou. Por isso, a atenção deve ser redobrada.

 

“Uma das medidas de segurança que pode ajudar muito nesses momentos são rotas de fuga bem dimensionadas, nos hospitais, que ajudam em uma evacuação mais rápida, e a adoção de sistemas de sprinklers, traduzidos no Brasil para “Chuveiros Automáticos”, que controlam o incêndio logo no início e inibem a formação de fumaça tóxica, dando tempo e visibilidade para a evacuação do espaço, minimizando os riscos”, aconselhou.

 

Além disso, os projetos arquitetônicos hospitalares atuais devem levar em consideração as normas de emergência, visando à aprovação da estrutura perante órgãos reguladores. Para prevenir incêndios de forma eficiente, é preciso ter um planejamento mais detalhado, que considere receber apoio de engenheiros com maior vivência de segurança contra incêndios desde o início, estabelecendo opções de proteção em casos de ocupantes com pouca ou nenhuma opção de mobilidade.

 

Em 2014, a Anvisa lançou o manual de segurança contra incêndio em hospitais e afirma que incêndios de diversas magnitudes em Estabelecimentos Assistenciais de Saúde no Brasil podem representar 3.200 ocorrências ao ano, ou cerca de 270 incêndios ao mês.

 

É fato que a ocorrência de incêndios se dão por fatores diversos, muitas vezes difíceis de se prever. Mas, ao seguir corretamente as orientações dos órgãos competentes e investindo em instalação e manutenção dos equipamentos são medidas simples e eficientes para a preservação de vidas e de patrimônios.

 

Fonte: Com informações dos sites Segs e Saúde Business

Todos os direitos reservados 2002 - 2020. Federação Nacional dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde.
fenaess@fenaess.org.br 
SRTVS - Quadra 701 - Bloco "E" - Lotes 2/4 - Edifício Palácio do Rádio II - Salas 227/228
Telefone - 61-3202.4323 e Fax - 3202.6494 
Asa Sul - Brasília/DF - Cep: 70340-902