Um terço dos brasileiros vive em cidades sem hospitais com tratamento contra câncer, diz estudo

06/12/2018

Um estudo da Controladoria Geral da União revelou o tamanho assustador de uma dívida do nosso país com os cidadãos. Um terço dos brasileiros que vivem em cidades não tem hospitais do SUS com tratamento contra o câncer.

 

Onze meses. Foi o tempo que a Cleide teve de esperar para conseguir uma vaga para fazer a primeira sessão de quimioterapia. Ela tem um câncer no colo do útero há quatro anos. Os médicos ainda não sabem quando vão fazer a cirurgia. “Tô com 11 meses, mais ou menos, que tô correndo atrás desse tratamento. Agora que consegui”, afirma a agricultora Cleide Oliveira.

 

Cleide mora em Iranduba, há 20 quilômetros de Manaus. O Amazonas tem só um hospital para tratar pacientes com câncer, a Fundação Cecon, Centro de Controle de Oncologia do estado.

 

“Poderia ser uns oito, porque pelo menos abraçava essa causa e a gente descobria a doença muito mais rápido. Se tivesse pelo menos três aqui no Amazonas já seria bem especifico, assim, para a gente ser melhor atendido”, completa a agricultora.

 

Três? Oito? O relatório da Controladoria Geral da União afirma que o Amazonas precisaria de pelo menos oito hospitais habilitados para o tratamento do câncer. A Cleide e pelo menos um terço da população brasileira, mais de 66 milhões de pessoas, vivem em regiões sem hospitais oncológicos. Regiões que a CGU chama de vazios assistenciais. São várias espalhadas por todo o país.

 

O Maranhão, por exemplo, tem três hospitais; o ideal seriam 14. O Pará tem quatro; deveria ter 17. Goiás tem cinco; quando precisaria de 14. Sergipe tem dois; cinco seriam necessários. Nem o Sudeste, região mais rica do pais, fica de fora desses vazios. Osasco, em São Paulo, na chamada Rota dos Bandeirantes, tem 1,8 milhão de habitantes e nenhum hospital habilitado em oncologia.

 

A Maria Alice também sabe o que é viver num desses vazios. Mora em Santa Inês, a 250 quilômetros de São Luís, no Maranhão. A rede pública não faz mamografia. Ela precisou ir pro Piauí, viajar mais de 300 quilômetros, para conseguir fazer o exame: “Fiz em Teresina. Ainda paguei as passagens, tudo. Aí fica mais difícil para a gente”.

 

O estudo da Controladoria Geral da União constatou, ainda, que vários hospitais não cumprem as metas exigidas pelo Ministério da Saúde, como o número mínimo de cirurgias e sessões de quimioterapia e radioterapia. E, hoje, são apenas 300 hospitais habilitados para o tratamento do câncer em todo o país. A CGU calcula que faltam outros 200 novos hospitais.

 

E segundo a controladoria, em tempos de orçamento enxuto, o Ministério da Saúde precisa melhorar o controle do que já existe. “Fazer uma melhor gestão dos recursos. Primeiro, utilizando os recursos que estão indo para hospitais que não estão cumprindo o mínimo. Para conseguir cumprir, suprir a demanda desses vazios de atendimento. Melhorar o monitoramento pra, a partir daí, ter certeza quanto de recursos que a gente vai precisar e se vamos precisar”, destaca secretário federal de controle interno da CGU, Antonio Carlos Leonel.

 

Segundo o Ministério da Saúde, a habilitação de novos serviços oncológicos deve ser planejada por estados e por municípios e a ampliação desses serviços considera parâmetros populacionais e estimativas de novos casos. O ministério afirma que o plano de expansão da radioterapia vai ofertar cem novas soluções, com a compra de aceleradores lineares e que outros 42 equipamentos estão sendo adquiridos por meio de convênios.

 

A Secretaria de Saúde do Amazonas afirmou que a paciente mostrada na reportagem foi atendida e recebe todo o tratamento necessário. E que o estado tem um plano de atenção oncológica que prevê o credenciamento e habilitação no SUS de mais três unidades de assistência de alta complexidade em oncologia na capital e quatro no interior.

 

Correção: na reportagem sobre a falta de hospitais para tratamento de câncer, dissemos que Osasco tem 1,8 milhão de habitantes. Essa na verdade é a população da região de saúde chamada de Rota dos Bandeirantes. O maior município desta região é Osasco, que tem cerca de 700 mil habitantes.

 

Fonte: Jornal Nacional – Rede Globo

Todos os direitos reservados 2002 - 2017. Federação Nacional dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde.
fenaess@fenaess.org.br 
SRTVS - Quadra 701 - Bloco "E" - Lotes 2/4 - Edifício Palácio do Rádio II - Salas 227/228
Telefone - 61-3202.4323 e Fax - 3202.6494 
Asa Sul - Brasília/DF - Cep: 70340-902